Significado da imagem de espessamento endometrial

 

A presença de um espessamento do endométrio (camada de revestimento interno do útero) é um achado freqüente da ecografia transvaginal. O diagnóstico do mesmo por ecografia se dá, habitualmente, nos exames solicitados em casos de sangramento vaginal alterado ou naqueles realizados como rotina de prevenção em mulheres a partir do climatério.

A imagem de espessamento endometrial pode ter diferentes significados: pode ser uma hiperplasia de endométrio, um pólipo endometrial que ocupa a cavidade, uma atrofia, ou, por último, um câncer. De acordo com cada caso, deve ser considerada a necessidade de avaliação e tratamento através de uma histeroscopia diagnóstica e/ou cirúrgica. Todas as mulheres pós-menopáusicas com espessamento acompanhado de sangramento devem ser investigadas por histeroscopia.

Endométrio Secretor

 

Ultrassom Endometrio Secretor

Ultrassonografia endometrio Secretor

Espessamento endometrial

 

Exame Espessamento Endometrial

Ultrassom  Espessamento Endometrial

Ultrassonografia Espessamento Endometrial

Ultrassom Endometrio

Ultrassonografia Endometrio

Uxame Endometrio

ULTRA-SONOGRAFIA NO ESPESSAMENTO ENDOMETRIAL

 

Por Dr. Cesar R. Camargo

Através da ultra-sonografia pode-se avaliar e monitorar o endométrio com bastante segurança, notadamente quando se utiliza a via transvaginal, abordagem que propicia melhor resolução de imagem e maior exatidão nas medidas de sua espessura.
Porém, a ultra-sonografia, por ser um método que avalia a anatomia macroscópica, pode não fazer distinção entre os vários tipos possíveis de espessamento do endométrio.

Neste ponto, deve-se ressaltar a grande importância da sintomatologia da paciente, assim como os achados clínicos, associando-os à ultra-sonografia, que juntos, irão sugerir o possível diagnóstico.

A imagem ultra-sonográfica de um espessamento endometrial é inespecífica, isto é, pode corresponder a vários diagnósticos diferentes, ou, inversamente, vários diagnósticos completamente diferentes, geram imagens ultra-sonográficas semelhantes.

Em vista disso, deve-se enumerar as várias possibilidades quando se estiver diante de um espessamento endometrial diagnosticado pela ultra-sonografia:

1) Período pré-menstrual: fisiologicamente, o endométrio vai aumentando de espessura na segunda fase do ciclo menstrual (fase secretora) até a menstruação e pode ser confundido com alguma patologia endometrial.

2) Gestação inicial ou incipiente: se a ovulação ocorreu normalmente por volta do 14 dia (meio do ciclo) e houve fecundação, o endométrio estará fisiologicamente espessado no final do ciclo e também pode ser confundido com patologias endometriais.

3) Restos ovulares: se uma paciente grávida de primeiro trimestre apresenta hemorragia, uma das possibilidades é a ocorrência de abortamento incompleto, sobrando restos ovulares na cavidade uterina, que irão produzir a imagem ultra-sonográfica sugestiva de espessamento grosseiro do endométrio.

4) Endometrite: a infecção endometrial produz espessamento endometrial grosseiro, indistinguível também de outras patologias, se não se levar em conta os sinais clínicos.

5) Polipose: dependendo do número e da quantidade de pequenos pólipos endometriais agrupados, pode-se ter uma imagem ultra-sonográfica de espessamento endometrial. Polipose endometrial pode levar a sangramento anormal.

6) Hiperplasia: pode ocorrer em pacientes com distúrbios hormonais ou ainda em pacientes sob terapia de reposição hormonal (estrogênica) sem oposição, em pacientes na pós-menopausa. A hiperplasia pode levar a sangramento anormal.

7) Carcinoma: espessamento endometrial grosseiro associado ou não a hemorragias. Ocorre mais frequentemente em pacientes no período pós-menopausal.

8) Tamoxifeno: espessamento endometrial semelhante ao descrito para hiperplasia, polipose e carcinoma, portanto também inespecífico ultra-sonograficamente.

Concluindo, a ultra-sonografia transvaginal pode ajudar muito na avaliação endometrial, detectando os espessamentos, podendo funcionar em muitos casos, como um método de screening. Porém deve-se conhecer as limitações do método quanto ao diagnóstico definitivo, que deverá ser sempre sugerido, juntando-se a sintomatologia da paciente e os achados clínicos. O diagnóstico definitivo somente pode ser firmado pelo estudo histopatológico do endométrio.